QUINTO TOIRO?

QUIN·TO TOI·RO [kˈĩ.tu tˈoj.ɾu]

Realizam-se mais de duzentas touradas à corda na ilha Terceira todos os anos. É uma tradição local muito antiga, de origem misteriosa, em que o touro (ou ‘toiro’) é um protagonista admirado e respeitado. Em cada evento participam apenas quatro touros, mas a expressão «quinto toiro» popularizou-se como uma referência à confraternização em volta de mesas fartas de comida e bebida durante e após a festa. O quinto toiro é um símbolo do espírito festivo da ilha Terceira e a cerveja artesanal Quinto Toiro® pretende celebrar essa forma tão especial de ser e de estar na vida.

Tourada à corda

Filosofia

Qualidade primeiro utilizar sempre ingredientes de qualidade e que melhor contribuam para o produto final, em vez dos atalhos usados frequentemente na grande indústria; o lucro é uma necessidade, mas é a atenção ao detalhe que define a verdadeira cerveja artesanal e que alimenta paixões|Tradição e inovação, com ponderação considerar os estilos de cerveja como guias de orientação e não como regras inflexíveis; a inovação é um objectivo, mas deve ser motivada pelo sabor e não pelo marketing|Mais do que uma bebida ser um veículo de aproximação de pessoas e culturas e contribuir para a divulgação e celebração da cultura da ilha Terceira e dos Açores|Pequena e humilde, mas ambiciosa é um projecto muito pequeno e modesto, com recursos extremamente limitados e num mercado e contexto geográfico que constituem enormes desafios… mas, como disse o grande poeta português Fernando Pessoa, cuja mãe, a propósito, era terceirense:

Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver do Universo…
Por isso a minha aldeia é tão grande como outra terra qualquer,
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura…

Terceira

ilha lilás, ilha de Jesus Cristo

já foi sozinha Portugal

QUEM SOMOS

um projecto solitário, por agora

Rui Leal

fundador / cervejeiro

Nasceu e reside em Angra do Heroísmo, a histórica cidade portuguesa classificada como Património Mundial. É Informático de profissão, licenciado pela Universidade de Lisboa. Curiosamente, uma das primeiras experiências profissionais do seu pai foi na distribuição local de uma marca de cerveja, por isso desde cedo ouviu algumas histórias e aprendeu sobre os desafios do negócio. Confessa que inicialmente não era fã do sabor da cerveja e optava por outras bebidas, mas com o tempo foi aprendendo a apreciá-la, especialmente depois de experimentar cervejas internacionais de qualidade; hoje é obviamente um apaixonado pelo mundo da cerveja e está envolvido noutros projectos dessa área, como o blogue «Cerveja e Tremoço». Há dois aspectos que o fascinam especialmente na cerveja: a componente criativa e artística da produção artesanal e a capacidade que esta bebida tem de aproximar e criar laços entre as pessoas, ultrapassando barreiras etárias, linguísticas e culturais.

Close
Go top